quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Compreensão de texto

VIDA DE PAPEL
Estava sossegado no meu canto, quando o homem me abriu e me encheu de pipocas. Sem a menor cerimônia, uma mulher me pegou e foi me levando.
Ela comia as pipocas com olhos, boca e dentes de muita fome.
Quando acabou, meteu a boca dentro de mim, soprou um grande sopro e eu comecei a estufar, estufar... Bum!!! Tudo chacoalhou! Um terremoto?
Não era, não! A rua continuava no mesmo lugar, com as pessoas apressadas, as buzinas tocando... Tudo nervoso, mas normal.
A mulher deu uma gargalhada e sem mais nem menos me deixou cair ali, no meio da rua!
Mal tinha me levantado, quando veio um carro a toda velocidade pra cima de mim! Só me livrei daquele amasso achatante porque uma ventania me empurrou pra calçada.
Vi um guri esquisito vindo pro meu lado.
Ele começou a me chutar, sem a menor consideração. Logo eu, que não tinha feito nada! Fui rolando rua abaixo até que ele resolveu seguir em frente, sozinho. Foi embora sem nem dizer um “muito obrigado” ou “desculpe o mal jeito”.
Fui, assim, me desviando dos pés que ameaçavam me pisar, sem rumo nem destino, quando uma coisa peluda se aproximou. Foi me arrastando para uma pá e da pá eu caí em uma lata. Lá dentro estava cheio de coisas.
A casca de laranja, cheirosa como sempre, foi logo me entrelaçando em um abraço. Um papel amassado e sujo disse pra eu não me envergonhar por ter ficado meio amarrotado.
Estava entre amigos e senti que ali era o meu lugar.
Um botãozinho quebrado contou que tinha caído da blusa de uma dona em um elevador. Quase se perdeu em um tapete felpudo.
Foi um aspirador que o salvou. Mas, todo agitado, o botão disse que a melhor aventura vem agora: uma longa viagem nos esperava!
Ele estava certo. À noitinha, um caminhão bem “maneiro” me levou com minha turma. Demos adeus à amiga casca, ao bagaço de milho e à paçoquinha embolorada. Encontramos garrafas, outros papéis, latinhas charmosas e vidros bons de papo.
Fomos parar em um lugar grande, com esteiras e máquinas.
Fiquei tão amigo de uns papéis, que, inseparáveis, fomos unidos pela máquina. E a melhor das surpresas: tudo aquilo estava ali só pra nos embelezar e nos deixar úteis de novo.
Virei folha de caderno, junto com os meus amigos! Nunca tinha imaginado que era tão importante pra ter um tratamento tão especial como esse!
Das prateleiras de uma loja fomos parar nas mãos de um garoto. Éramos brancos, mas ele desenhou uma árvore cheia de flores e frutos coloridos em cima da gente. Nos arrancou do caderno e nos pregou numa parede. Estamos em uma sala onde sempre há crianças.
Até hoje elas se aproximam e ficam nos admirando. Vocês podem acreditar nisso?!
De saquinho de pipoca a vida de artista!
Como sou feliz!
Rosana Skronski
ANALISE O TEXTO E RESPONDA:

1. Quem é o “homem que me abriu e me encheu de pipocas” que aparece logo no início?
2. De quem é a “vida de papel” que o texto conta?
3. Depois que o homem o encheu de pipocas, qual foi a trajetória de vida do saquinho de papel, até ir parar na lata de lixo?
4. Como o personagem se sentiu ao ser colocado na lata de lixo? Explique sua resposta.
5. Por que o papel, que era lixo reciclável, deu adeus à casca de laranja, ao bagaço de milho e a paçoquinha embolorada?
6. Depois de reciclado, por que o papel ficou feliz?
7. Essa história se passa numa cidade grande. Que elementos do texto informam isso?
8. Na história, a mulher que comia pipoca jogou o saquinho no chão, depois de vazio. Você julga correto esse comportamento? Justifique sua resposta.

Nenhum comentário: